Navigation

Ex-presidente equatoriano Correa denuncia 'fraude processual' em pedido de sua captura

(Arquivo) O ex-presidente do Equador Rafael Correa afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 25. setembro 2020 - 17:50
(AFP)

O ex-presidente do Equador, Rafael Correa, rejeitou nesta sexta-feira (25) em Bruxelas o pedido de captura contra ele emitido pela Justiça de seu país para que cumpra uma condenação por corrupção, e afirmou que o processo por subornos é uma "fraude processual monumental".

A Justiça do Equador solicitou, na quarta-feira, a "imediata localização e captura" de Correa - que reside na Bélgica - após confirmar uma condenação de oito anos de prisão, decisão que implica a desqualificação do ex-presidente para cargos de eleição popular.

Julgado à revelia no chamado "caso Subornos", Correa e vários de seus colaboradores foram acusados de receber propina em troca de contratos com diversas empresas.

Em uma nota longa acessada pela AFP, Correa (que governou de 2007 a 2017) assegurou que "nunca em minha vida recebi ou permiti um suborno. Este caso é uma fraude processual monumental que não poderá se sustentar ao longo do tempo".

Em sua defesa, o ex-presidente destacou que esteve "envolvido nas coisas mais inverossímeis em mais de 30 investigações criminais e outras tantas auditorias da Controladoria", e assegurou que durante todo o processo pelos subornos "as possibilidades de um julgamento justo sempre foram nulas".

Segundo ele, isso ocorre por se opor "frontalmente ao desgoverno de Lenín Moreno", que foi seu vice-presidente e aliado entre 2007 e 2013.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.