Navigation

Ex-presidente Fernando Henrique pede união do centro contra candidatos radicais

(Arquivo) O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso defendeu nesta quinta-feira a união dos candidatos de centro para impedir a vitória de visões radicais e polarizadas nas eleições de 7 de outubro no Brasil afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 21. setembro 2018 - 12:31
(AFP)

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso defendeu nesta quinta-feira a união dos candidatos de centro para impedir a vitória de visões radicais e polarizadas nas eleições de 7 de outubro no Brasil.

"Diante da dramaticidade do quadro atual, ou se busca a coesão política, com coragem para falar o que já se sabe e a sensatez para juntar os mais capazes para evitar que o barco naufrague, ou o remendo eleitoral da escolha de um salvador da Pátria ou de um demagogo, mesmo que bem intencionado, nos levará ao aprofundamento da crise econômica, social e política".

O ex-presidente não se referiu diretamente a qualquer candidato, mas a eleição caminha para uma polarização entre Jair Bolsonaro e Fernando Haddad, segundo as pesquisas.

FHC também não cita o candidato do seu partido (PSDB), Geraldo Alckmin, que ocupa apenas a quarta posição nas pesquisas, atrás de Ciro Gomes.

"Sem que os candidatos que não apostam em soluções extremas se reúnam e decidam apoiar quem melhores condições de êxito eleitoral tiver, a crise tenderá certamente a se agravar".

"A gravidade de uma facada com intenções assassinas haver ferido o candidato que está à frente nas pesquisas eleitorais deveria servir como um grito de alerta: basta de pregar o ódio, tantas vezes estimulado pela própria vítima do atentado. O fato de ser este o candidato à frente das pesquisas e ter ele como principal opositor quem representa um líder preso por acusações de corrupção mostra o ponto a que chegamos", advertiu Fernando Henrique Cardoso.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.