Navigation

Ex-presidente Fujimori volta ao banco dos réus por morte de camponeses

Ex-presidente peruano Alberto Fujimori em uma foto de 25 de julho de 2018 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 26. outubro 2018 - 20:11
(AFP)

A Justiça peruana citou o ex-presidente Alberto Fujimori para comparecer em 23 de novembro em um julgamento pelo massacre de seis camponeses executado por militares durante o seu governo (1990-2000), segundo uma ordem judicial.

Fujimori, de 80 anos e hospitalizado desde que, em 3 de outubro, a Justiça anulou o seu indulto e ordenou que retornasse à prisão, é obrigado por lei a comparecer à audiência.

Na "Sala Penal Nacional foi fixado para 23 de novembro a audiência de controle de acusação fiscal do caso Pativilca, causa na qual o ex-presidente da República Alberto Fujimori é processado", diz a ordem judicial, publicada no jornal El Comercio nesta sexta-feira (26).

A Procuradoria deverá detalhar na audiência se continuará acusando Fujimori por homicídio qualificado, o que a defesa pediu para que fosse retificado.

Os procuradores acusam Fujimori de ser o autor mediato do massacre, tipificação que envolve a cadeia de comando de uma organização. A lei peruana estabelece que o presidente é "o chefe supremo das Forças Armadas".

O ex-presidente é processado com outras 23 pessoas pelos crimes supostamente executados por um esquadrão da morte do Exército em 1992, no âmbito da luta contra as guerrilhas.

O ato foi executado em Pativilca, um povoado agrícola da costa situado a 200 quilômetros ao norte de Lima.

Independentemente deste julgamento, Fujimori deve voltar à prisão para completar uma condenação de 25 anos como autor mediato por outros dois massacres.

Após 12 anos na prisão, o ex-presidente foi indultado na véspera do Natal de 2017 pelo então chefe de Estado Pedro Pablo Kuczynski.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.