Navigation

Ex-vice argentino é condenado a quase seis anos de prisão por corrupção

O ex-vice-presidente da Argentina Amado Boudou se apresenta à Justiça em 7 de agosto de 2018 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 07. agosto 2018 - 17:40
(AFP)

O ex-vice-presidente argentino, Amado Boudou, foi condenado nesta terça-feira (7) a cinco anos e dez meses de prisão por crimes de corrupção, anunciou a Justiça.

Boudou foi considerado culpado e foi preso pelo crime de corrupção passiva e prevaricação por tentar se apropriar, através de um laranja, da empresa privada Ciccone, dedicada a fabricar papel moeda e documentos públicos.

Boudou ocupou a vice-presidência entre 2011 e 2015, durante o segundo governo da presidente Cristina Kirchner.

Os fatos ocorreram quando Boudou ocupava o ministério da Economia, em 2010.

O ex-funcionário foi inabilitado por toda a vida a ocupar cargos públicos.

Espera-se que seus advogados apelem da decisão a partir da quarta-feira.

"Nunca negociei nem por mim, nem através de terceiros, os 70% do pacote acionário da Ciccone. A suposta propina não tem nenhum apoio, nem vínculo com a prova porque não existiu", disse Boudou em suas alegações perante a Justiça.

Com ele, foram condenados cinco empresários, entre eles o ex-dono da empresa, Nicolás Ciccone, condenado a quatro anos e seis meses de prisão.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.