Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Com 114 milhões de usuários mensais, o Brasil é o segundo país mais ativo no Facebook do mundo

(afp_tickers)

O Facebook está em campanha contra as informações falsas que tantas dores de cabeças deram às empresas tecnológicas nas últimas eleições presidenciais dos Estados Unidos.

E o primeiro passo da sua cruzada global será um tipo de manual para que os usuários aprendam a detectá-las, que a partir de sexta-feira estará na seção central da rede social em 14 países, entre eles Brasil, México, Colômbia e Argentina.

"As notícias falsas desinformam as pessoas e corroem sua confiança em nossa plataforma. Embora não se trate de um problema novo nem exclusivo do Facebook, entendemos que temos um papel a desempenhar", disse Luis Olivalves, executivo da empresa de Mark Zuckerberg, em uma conversa por telefone com a AFP.

"Nos preocupa muito", acrescentou.

Com 114 milhões de usuários mensais, o Brasil é o segundo país mais ativo no Facebook do mundo, segundo dados da companhia californiana.

O assunto gerou questionamentos sobre as empresas que reinam no ecossistema virtual, por terem sido supostamente usadas para veicular rumores, e ganhou mais força com a possibilidade de que essas notícias tenham influenciado o resultado eleitoral que levou o magnata Donald Trump à Casa Branca.

Após se somar a um fundo de pesquisa de 14 milhões de dólares para ajudar o público a distinguir os conteúdos jornalísticos das informações falsas, o Facebook decidiu disponibilizar online seu próprio programa "educativo".

Aliada ao First Draft, uma ONG que se dedica a verificar conteúdos gerados nas redes sociais, a companhia enfrenta um problema em grande escala, que pode se resumir no descrédito intrínseco que implica a frase "li na internet".

"Eliminar a desinformação na internet é uma tarefa muito maior do que uma empresa", apontou Olivalves, para quem a prioridade é limitar os lucros dos geradores de notícias falsas, que atraem usuários com títulos atrativos para que consumam suas publicidades.

A propagação desse tipo de informação que for notificada como suspeita pelos leitores ou que registre um alto índice de difusão sem ter sido lida será restringida.

A campanha estará disponível também na Alemanha, França, Itália, Reino Unido, Filipinas, Indonésia, Taiwan, Estados Unidos e Canadá.

Em todos esses lugares, os que acessarem o manual poderão ler sua lacônica mensagem inaugural: "Desconfie dos títulos".

- Contra o "pornô de vingança" -

Na quarta-feira, o Facebook lançou outra iniciativa, em escala global, para combater o "pornô de vingança" na rede social líder, assim como no Instagram e no aplicativo de mensagens Messenger.

"Isto é parte do nosso esforço contínuo para ajudar a construir uma comunidade segura dentro e fora do Facebook", disse a diretora de segurança global da empresa, Antigone Davis, em um blog.

Quando forem notificadas, confirmadas ou apagadas fotografias íntimas compartilhadas no Facebook sem permissão, a empresa utilizará a tecnologia de correspondência de fotos (photo-matching) para impedir que cópias da imagem original sejam compartilhadas na plataforma de novo.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP