Navigation

Facebook lança serviço de relacionamentos nos EUA

Facebook lança ferramenta de paquera nos Estados Unido afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 05. setembro 2019 - 19:34
(AFP)

O Facebook lançou nesta quinta-feira um serviço de relacionamentos nos Estados Unidos, numa tentativa de concorrer em um mercado que tem aplicativos como Tinder e Happn.

O site gratuito "Facebook Dating", que foi anunciado no ano passado e já está disponível em vários países, permitirá que os usuários vinculem suas publicações do Facebook e do Instagram em uma área separada do aplicativo principal dedicada à paquera.

O objetivo do produto é facilitar as conexões entre os cerca de 2 bilhões de usuários da rede social em todo o mundo.

"O 'Facebook Dating' permite que você entre em contato com amigos de amigos e/ou pessoas que não estão no seu círculo de amizade", escreveu em um blog Nathan Sharp, chefe do projeto.

Um dos recursos disponíveis é o "Secret Crush" (crush secreto), que permite o contato em sigiloso entre duas pessoas.

"Encontrar um parceiro é algo muito pessoal, por isso, fizemos do Dating um site seguro, inclusivo e opcional", afirmou Sharp.

O chefe do projeto destacou que os usuários poderão reportar e bloquear qualquer pessoa, e proibir que desconhecidos enviem fotos, links ou vídeos nas mensagens.

O presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, disse no ano passado, ao anunciar este projeto, que estava sendo projetado para "relacionamentos reais de longo prazo".

Ele destacou que um de cada três casamentos nos Estados Unidos começa na Internet e que cerca de 200 milhões de usuários do Facebook se identificam como solteiros.

O serviço de relacionamentos será gratuito para os usuários, ao contrário de alguns rivais, que oferecem planos de graça e pagos.

O Facebook Dating já foi lançado em 19 países: Argentina, Bolívia, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Equador, Guiana, Laos, Malásia, México, Paraguai, Peru, Filipinas, Singapura, Suriname, Tailândia, Uruguai e Vietnã.

Estará disponível na Europa em 2020.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.