Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Congresso colombiano, em Bogotá, durante reunião para aprovar o tratado de paz entre o governo colombiano e as Farc, em 30 de novembro de 2016

(afp_tickers)

A guerrilha das Farc denunciou, neste domingo (21), que o governo da Colômbia está "traindo" o acordo de paz firmado em novembro passado, ao introduzir mudanças em projetos de acesso à terra que não foram acordadas de forma bilateral.

Em um comunicado, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) garantiram que um projeto de decreto para facilitar a reforma rural acordada no pacto de paz - enviado para comunidades indígenas e étnicas para sua consulta - "não corresponde à versão elaborada conjuntamente" pelas partes.

"O projeto radicado não apenas não corresponde à versão elaborada conjuntamente pela Comissão de Impulso, Acompanhamento e Verificação para a Implementação (do acordo de paz, integrada pelas Farc e pelo governo), como também introduziu mudanças abertamente contrárias às disposições acordadas", reclamou a guerrilha.

Um dos pontos mais controversos do acordo de paz foi a reforma rural, a qual busca resolver o problema da concentração de terras, raiz do conflito armado de mais de meio século.

Agora, advertiram os representantes das Farc, "está em risco a oportunidade histórica de conseguir o fechamento do ciclo de violência, cuja origem esteve no problema não resolvido da posse de terra".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP