Navigation

Forças armadas venezuelanas ratificam apoio a Maduro após acusações dos EUA

Os Estados Unidos anunciaram nessa quinta-feira que indiciaram o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e mais 14 pessoas por "narcoterrorismo". Ficha dos principais indiciados. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 27. março 2020 - 23:46
(AFP)

As forças armadas da Venezuelana reiteraram seu apoio ao presidente Nicolás Maduro nesta sexta-feira (27), depois que os Estados Unidos o acusaram de crimes de narcotráfico e ofereceram 15 milhões de dólares por sua captura.

"A Força Armada Nacional Bolivariana rejeita categoricamente as acusações extravagantes e extremas" contra Maduro, segundo comunicado lido pelo almirante Remigio Ceballos, chefe do comando operacional estratégico militar.

A nota vincula o processo aberto no sistema de justiça americano a um suposto plano para assassinar Maduro e várias figuras de poder na Venezuela e que, segundo o governo do país sul-americano, foi orquestrado da Colômbia com o apoio da Casa Branca.

"Este ataque surge logo após a revelação de um plano de ações violentas a partir do território colombiano, cujos objetivos seriam autoridades reconhecidas em nosso país", indicou o comunicado.

Os militares estão entre os pilares mais poderosos que mantêm Maduro no poder, que lhes concedeu ampla participação em áreas estratégicas do país, como o setor de petróleo.

O presidente e várias figuras do governo, como o ministro da Defesa, general Vladimir Padrino, são acusados por Washington de "inundar" os Estados Unidos com cocaína colombiana.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.