Navigation

França proíbe pesticida após casos de intoxicação

(Arquivo) Autoridades francesas anunciaram nesta segunda-feira a proibição de produtos a base de metam-sódico, depois que este pesticida, utilizado sobretudo por horticultores, foi associado a dezenas de casos de intoxicação afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 05. novembro 2018 - 16:31
(AFP)

Autoridades francesas anunciaram nesta segunda-feira a proibição de produtos a base de metam-sódico, depois que este pesticida, utilizado sobretudo por horticultores, foi associado a dezenas de casos de intoxicação.

Trata-se de uma proibição definitiva, depois de que a Agência Nacional de Segurança Sanitária (ANSES) anunciou, no fim de outubro, sua suspensão durante três meses.

Após um exame, o ANSES concluiu que "o conjunto de suas utilizações representa um risco para a saúde humana e para o meio ambiente", de modo que deixará de autorizar sua comercialização, segundo um comunicado.

O metam-sódico é um dos pesticidas mais utilizados nos Estados Unidos e na Europa e é considerado um "cancerígeno provável" pela Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos.

Os produtos a base de metam-sódico servem para desinfetar a terra e eliminar fungos e bichos, antes do início de um cultivo.

São espalhados sobre pequenas superfícies, mas são necessárias grandes quantidades para que seja eficaz. Na França, a cada ano se utilizam cerca de 700 toneladas, segundo a Agência.

Recentemente, foram detectados dezenas de casos de intoxicação no oeste da França, onde abundam este tipo de cultivos.

Ao menos 70 pessoas, em grande parte agricultores, relataram dificuldade para respirar e ardência nos olhos e garganta perto da cidade de Angers.

Existem alternativas ao metam-sódico, mas muitos agricultores se queixam de suas desvantagens. A solarização, que consiste em aproveitar o sol para desinfetar a terra, depende do clima, enquanto a desinfecção com vapor requer muito tempo e combustível.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.