Navigation

Google anuncia plataforma de videogames por streaming chamada Stadia

O vice-presidente do Google, Majd Bakar, discursa na anual Conferência Juegosm Developers, em São Francisco, Califórnia, em 19 de março de 2019 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 19. março 2019 - 17:39
(AFP)

A Google anunciou nesta terça-feira uma nova plataforma de videogames por streaming chamada Stadia, que permite que jogar e criar "games" instantaneamente online, eliminando a necessidade dos consoles.

A gigante tecnológica anunciou que a Stadia ficará disponível nos Estados Unidos, no Canadá e na Europa no fim deste ano.

Com essa plataforma de "nova geração" será possível jogar em todos os tipos de aparelhos (tablets, smartphones, televisores) "games" sofisticados, sem problemas e sem ter que baixá-los, explicaram diretores do grupo.

"Estamos à beira de uma grande revolução nos jogos", disse Jade Raymond, diretor da Stadia Games and Entertainment, na apresentação da Google na Game Developers Conference, em São Francisco.

A "nuvem" é considerada o futuro dos videogames, seguindo o modelo criado pela Netflix para o conteúdo audiovisual, ou pelo Spotify para a música.

Em parceria com a Ubisoft, a Google tinha anunciado há alguns meses o uso da famosa franquia "Assassin's Creed" para testar esta tecnologia de jogos em streaming, que deve oferecer a mesma qualidade dos consoles, mas com o serviço online.

A Google também apresentou um novo controle que pode ser usado em "games" individuais ou de vários participantes baseados na nuvem.

O CEO Sundar Pichai disse que a iniciativa pretende "construir uma plataforma de jogos para todos".

"Acho que podemos gerar uma grande mudança, reunindo a totalidade do ecossistema", disse Pichai na apresentação.

A Google disse que está trabalhando com mais de 100 desenvolvedores de jogos, adaptando títulos para a plataforma ou até criando produções próprias.

Na conferência, a Google fez uma demonstração de um jogo de velocidade baseado em nuvem em diversos dispositivos. Mas a empresa não deu detalhes específicos sobre como monetizará o novo serviço ou pagará aos desenvolvedores.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.