Navigation

Google proíbe anúncios de tratamentos médicos sem eficácia comprovada

Google informou vai banir os anúncios de tratamento médico sem eficiência comprovada afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 06. setembro 2019 - 20:47
(AFP)

O Google informou nesta sexta-feira que vai banir os anúncios de tratamento médico sem eficiência comprovada, incluindo os que envolem células-tronco e terapia genética.

"Essa nova política proibirá anúncios que vendam tratamentos que não possuam uma base biomédica ou científica estabelecida ", disse Adrienne Biddings, consultora de políticas do Google, em um blog da empresa americana.

O Google "proibirá a publicidade de técnicas médicas não comprovadas ou experimentais, como a maioria das terapias com células-tronco, terapia celular e terapia genética".

Acrescentou que serão excluídas a divulgação "dos tratamentos baseados em descobertas científicas básicas e experiência clínica preliminar, mas atualmente não possuam evidências clínicas formais suficientes para justificar o uso clínico generalizado".

De acordo com a empresa, esta decisão foi adotada por conta de "um aumento de maus atores que tentam tirar proveito das pessoas oferecendo tratamentos enganosos e não comprovados".

O Google afirmou que esta decisão não era um esforço para diminuir a importância das descobertas médicas, mas considerou que "os testes clínicos controlados e regulamentados são a maneira mais confiável de comprovar e demonstrar importantes avanços médicos".

Esta decisão foi tomada após a empresa consultar especialistas na área e justificou que foi apoiada pelo presidente da Sociedade Internacional de Pesquisa em Células-Tronco, Deepak Srivastava.

Na declaração do Google, Srivastava foi citado dizendo: "A comercialização prematura de produtos não comprovados de células-tronco ameaça a saúde pública, sua confiança na pesquisa biomédica e prejudica o desenvolvimento de novas terapias legítimas".

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.