Navigation

Governo boliviano decreta quarentena total a partir de domingo

Ministro da Saude Anibal Cruz afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 21. março 2020 - 15:35
(AFP)

O governo interino da Bolívia decretou neste sábado uma quarentena total no país para impedir a propagação do coronavírus, uma medida que entrará em vigor a partir de domingo.

"A partir do domingo, às zero horas, a quarentena total entra em vigor em todo o país. É uma decisão difícil, mas necessária para o bem de todos", disse a presidente Jeanine Áñez em mensagem ao país, que registrou 19 casos até agora.

A medida implica que "devemos estar em casa 24 horas por dia" porque "é o caminho para vencer o coronavírus". Apenas uma pessoa para cada família pode sair para fazer compras em centros de suprimentos que abrirão diariamente até o meio dia.

A partir deste sábado, o fechamento das fronteiras aéreas e terrestres passa a ser aplicado e o transporte interdepartamental de passageiros limitado.

Também esta proibida a circulação de veículos públicos e privados, com exceção dos que transportam suprimentos.

Nos últimos dias, líderes políticos, autoridades regionais, associações médicas e instituições do país aumentaram seus pedidos para que o governo central aplicasse uma quarentena total para conter a pandemia.

Áñez indicou que, nos próximos dias, serão ativadas várias ajudas aos cidadãos, como pagamento de bônus às famílias, redução das tarifas de serviços básicos e apoio financeiro a pequenas e médias empresas.

Por sua vez, os diretores do maior complexo hospitalar público de La Paz emitiram uma declaração preocupante, relatando a falta de suprimentos para enfrentar a pandemia e a falta de preparação do pessoal médico.

"Não temos suprimentos mínimos, como toucas, botas, óculos, e menos ainda suprimentos sofisticados, como medicamentos para tratamento intensivo", alerta o comunicado.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.