Navigation

Governo colombiano pede expulsão do Congresso de ex-guerrilheiros que confessaram magnicídio

(Arquivo) O máximo dirigente da Farc, Rodrigo Londoño afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 07. outubro 2020 - 17:36
(AFP)

O governo da Colômbia pediu nesta quarta-feira a um tribunal de paz que expulse do Senado dois ex-comandantes rebeldes que confessaram que as extintas Farc mataram, em 1995, o líder e ex-candidato conservador Álvaro Gómez.

Durante evento oficial em Bogotá, o presidente Iván Duque declarou que, diante da gravidade desta versão, qualquer um "deveria, imediatamente, perder a conotação de membro do Congresso".

O presidente conservador, crítico do acordo de paz com a antiga guerrilha, acrescentou que os confessos deveriam renunciar voluntariamente, para não "revitimizar" a família do dirigente. Caso contrário, disse esperar que a Justiça atue e retire a "representação parlamentar" dos antigos guerrilheiros.

Mais cedo, o conselheiro presidencial Miguel Ceballos pediu à Jurisdição Especial para a Paz (JEP) - criada a partir dos acordos que levaram ao desarmamento dos rebeldes, que avalie se há incompatibilidade entre a confissão de magnicídio e a permanência de Julián Gallo e Pablo Catatumbo no Congresso.

A dupla chegou ao Legislativo como parte do acordo de paz de 2016, juntamente com outros sete líderes do movimento armado dissolvido. A ex-guerrilha abandonou as armas e aceitou se submeter à JEP em troca de poder exercer cargos políticos e confessar seus crimes.

A confissão surpreendeu um país que, por muitos anos, acreditou que por trás do ataque estivessem políticos rivais, militares ou narcotraficantes. O caso foi declarado crime contra a humanidade e segue em investigação.

Para pessoas ligadas ao dirigente, trata-se de "uma grande mentira" com a qual se pretende ocultar os verdadeiros responsáveis. A Farc justificou o magnicídio citando a rejeição histórica de Gómez à rebelião comunista.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.