Navigation

Grande marcha em Santiago reúne mais de meio milhão de pessoas

A grande marcha contra as políticas sociais do governo de Sebastián Piñera reunia nesta sexta-feira (25) mais de 500.000 pessoas e continuava crescendo no centro de Santiago afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 25. outubro 2019 - 21:48
(AFP)

Mais de meio milhão de pessoas convergiam nesta sexta-feira (25) de vários pontos de Santiago a uma praça do centro, exigindo reformas em um sistema econômico que consideram desigual e repetindo lemas contra o governo por responder com militares à pior convulsão social no Chile em três décadas.

"Uma concentração acima de 500 mil pessoas (e em crescimento)" era celebrada em Santiago "de forma pacífica", informou a Intendência de Santiago pelo Twitter, com dados da Polícia chilena, quase uma hora depois do início da manifestação multitudinária.

Entoando canções populares durante a ditadura de Augusto Pinochet (1973-90), pulando e exibindo bandeiras chilenas e mapuches (povos originários do chile), os manifestantes se reuniram nas largas avenidas da capital para atender à convocação da "Maior Passeata do Chile", uma semana depois de um dos países mais estáveis da América Latina se ver mergulhado em sua pior crise social.

"Provavelmente será a maior de todos os tempos. Pedimos justiça, honestidade, ética no governo, não é que queiramos o socialismo, o comunismo; queremos menos empresas privadas, mais Estado e as propostas feitas (por Piñera esta semana) vão arruinar o orçamento para subsidiar as empresas privadas", disse à AFP Francisco Anguitar, de 38 anos, que trabalha em desenvolvimento de inteligência artificial.

Em sua passagem pelo palácio presidencial de La Moneda, com milhares de pessoas insultando o presidente e os militares que isolavam esta área no centro de Santiago, Anguitar enfatizou: "O que queremos é algo bem feito", em alusão às mudanças sociais que reivindicam.

Estas manifestações aparecem nas ruas como um movimento enorme e bem organizado, mas carecem de líderes identificáveis, foram convocadas sobretudo por redes sociais e promovem protestos contra as sedes militares e meios de comunicação com panfletos que pedem para "não ligar a TV".

As músicas "El baile de los que sobran" e "Por qué no se van", que tornaram famoso o grupo de rock chileno Los Prisioneros quando Pinochet governava o país com mão de ferro, são candadas por milhares de jovens na casa dos 20 anos, eufóricos e que não temem o toque de recolher, nem os militares que patrulham as ruas desde a sexta-feira passada após um decreto de emergência emitido pelo presidente Piñera.

Depois de sete dias com o país semi-paralisado e alguns setores produtivos de Santiago operando a medias o nada, a bolsa desabou apenas na segunda-feira e depois seguiu sem grandes alterações, assim como o dólar, embora tenha registrado uma alta esta semana, se mantém ao nível similar do mesmo mês do ano passado.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.