Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A mobilização inclui professores, funcionários do setor administrativo, garis e seguranças de parques. O movimento é o maior desde a chegada ao poder, em 2010, do governo conservador de Cameron, que decidiu combater a crise com medidas de austeridade.

(afp_tickers)

Mais de um milhão de funcionários do setor público aderiram a uma greve nesta quinta-feira na Grã-Bretanha, em protesto contra os cortes orçamentários e salariais, segundo os sindicatos, na maior paralisação contra o governo conservador de David Cameron.

O dia terá como ponto alto as manifestações em todo o país. O protesto de Londres terminará em Trafalgar Square.

A mobilização inclui professores, funcionários do setor administrativo, garis e seguranças de parques. O movimento é o maior desde a chegada ao poder, em 2010, do governo conservador de Cameron, que decidiu combater a crise com medidas de austeridade.

O governo congelou os salários dos funcionários públicos por dois anos e agora limitou os aumentos a 1% anual.

Os sindicatos anunciaram que chegou o momento de "dizer basta".

"Os grevistas merecem o apoio da população", disse a secretária-geral do Trades Union Congress, Frances O'Grady.

"O que estão dizendo é que os atuais funcionários não podem ser marginalizados da recuperação e que corresponde a todos uma parte justa, à medida que a economia volta a crescer", afirmou.

A economia britânica deixou para trás a recessão em 2009, após uma forte queda e, desde então, registrou um crescimento sólido (3,1% nos 12 meses anteriores ao fim de março).

Apesar do anúncio da greve, o governo espera que muitos funcionários públicos compareçam ao trabalho.

Cameron criticou a iniciativa ao afirmar que os grevistas "fariam melhor em trabalhar" e que a greve era a decisão da minoria.

"A grande maioria dos funcionários não votou pela greve e os primeiros sinais mostram que a maioria compareceu ao trabalho, como sempre", disse o porta-voz do governo, que duvidou do número de um milhão de grevistas antecipado pelos sindicatos.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP