Navigation

Grupo de 1.500 salvadorenhos chega ao México rumo aos EUA

Uma caravana com 1.500 salvadorenhos que segue em direção aos Estados Unidos cruzou o rio Suchiate, na fronteira entre Guatemala e México. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 02. novembro 2018 - 20:52
(AFP)

Uma caravana com 1.500 salvadorenhos que segue em direção aos Estados Unidos cruzou nesta sexta-feira o rio Suchiate, na fronteira entre Guatemala e México, constatou a AFP no local.

Os salvadorenhos, seguindo os passos de milhares de hondurenhos que percorrem no momento o sul do México, cruzaram o rio a pé entre Tecún Umán, na Guatemala, e Ciudad Hidalgo, México, após negarem a oferta de asilo ou retorno realizada pelas autoridades mexicanas.

Apenas algumas famílias salvadorenhas que decidiram aceitar o asilo permaneceram na saída da ponte no lado mexicano, onde aguardam a chegada de um ônibus enviado pelas autoridades.

Carregando seus pertences sobre as costas e alguns com crianças no colo, os salvadorenhos cruzaram o rio Suchiate seguindo os passos das caravanas de hondurenhos que percorreram o mesmo caminho rumo aos Estados Unidos, fugindo da violência e da pobreza.

A primeira caravana de emigrantes partiu no dia 13 de outubro da cidade de San Pedro Sula, norte de Honduras, e atualmente passa pelo estado de Oaxaca, no sul do México.

Outros 2 mil emigrantes, que entraram no México na segunda-feira passada, seguem pela mesma rota.

A Direção Geral de Migração e Estrangeiros (DGME) de El Salvador informou que 1.778 salvadorenhos partiram na quarta-feira do país, em duas caravanas.

Deste total, 268 pessoas (118 adultos e 150 crianças e adolescentes) decidiram regressar a El Salvador.

Um grupo de 534 pessoas, a maioria salvadorenhos adultos, que partiu no domingo já está no território mexicano.

Os emigrantes de El Salvador decidiram buscar o "sonho americano", apesar da severa advertência do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de que conterá as massas de emigrantes ilegais até com a ajuda das Forças Armadas.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.