Navigation

Haddad e Bolsonaro em virtual empate técnico em nova pesquisa

Fernando Haddad (acima à esquerda) aparece com 25,2% das intenções de voto e Jair Bolsonaro (abaixo à direita), com 28,2% - virtual empate técnico - na pesquisa MDA afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 30. setembro 2018 - 14:50
(AFP)

O candidato do PT, Fernando Haddad, continua subindo nas pesquisas e se aproximou do candidato de extrema-direita Jair Bolsonaro, que permanece à frente nas intenções de voto a uma semana das eleições de 7 de outubro, mas em virtual empate técnico, de acordo com uma pesquisa divulgada neste domingo.

Bolsonaro, do PSL, aparece com 28,2% da preferência do eleitorado, seguido por Haddad, com 25,2%, revela a pesquisa do instituto MDA para a Confederação Nacional dos Transportes (CNT).

O resultado representa uma alta de 7,6 pontos percentuais para Haddad em relação à pesquisa anterior, de meados de setembro.

Os números significam um virtual empate técnico, pois o resultado está dentro da margem de erro da pesquisa, de 2,2 pontos percentuais.

Muito atrás aparecem Ciro Gomes (PDT), com 9,4%, e Geraldo Alckmin (PSDB), com 7,3%.

Considerando apenas os votos válidos (sem brancos e nulos), Bolsonaro reúne 35,3% das intenções de voto e Haddad 31,5%.

Na simulação para o segundo turno, previsto para 28 de outubro, Haddad venceria Bolsonaro por 42,7% a 37,3%, segundo a pesquisa MDA.

Haddad mantém uma trajetória de alta desde que foi designado como substituto, em 11 de setembro, do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que está preso, como candidato do PT.

Bolsonaro prometeu no sábado retomar a campanha nas redes sociais, depois de receber alta do Hospital Israelita Albert Einstein de São Paulo, onde estava internado desde que recebeu uma facada no dia 6 de setembro durante um evento de campanha.

A pesquisa foi realizada entre 27 e 28 de setembro e ouviu 2.002 pessoas em 137 municípios das cinco regiões do país.

Uma pesquisa do instituto Datafolha divulgada na sexta-feira mostra Bolsonaro com 28% e Haddad com 22%.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.