Navigation

Haddad resolve se aproximar da Igreja Católica

Fernando Haddad após se reunir com os bispos católicos em Brasília afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 11. outubro 2018 - 18:48
(AFP)

O candidato petista Fernando Haddad destacou nesta quinta-feira (11) as suas concordâncias com temas que a Igreja Católica "considera essenciais", relacionados à violência, ao meio ambiente, à corrupção, ao aborto e à preservação das instituições democráticas.

"Nosso programa prevê ações alinhadas a esses princípios", declarou Haddad a repórteres após reunião em Brasília com o secretário-geral da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Leonardo Steiner.

A visita foi feita a pouco mais de duas semanas do segundo turno, no qual o candidato de extrema direita Jair Bolsonaro é considerado o grande favorito, com 58% das intenções de voto contra 42% para o candidato do PT, de acordo com pesquisas.

Mas Haddad destacou que há apenas um mês ele se tornou o candidato oficial após a invalidação da candidatura do ex-presidente Lula, e que espera continuar crescendo diante do eleitorado.

"Quem saiu dos 4% de intenções de voto para saltar aos 42% também vai chegar aos 50%. Faltam oito para chegar aos 50%. Temos duas semanas de trabalho para conseguir esses 8%", afirmou.

Bolsonaro ganhou apoio generalizado das influentes igrejas evangélicas e também tem grande aceitação entre os católicos, no país com o maior número de fiéis no mundo dessa religião.

De acordo com a primeira pesquisa realizada após o primeiro turno eleitoral no domingo, 46% dos católicos apoiam Bolsonaro contra 40% de Haddad.

Entre os evangélicos, Bolsonaro tem 60% e Haddad, 25%.

Em entrevista ao site de notícias UOL, Steiner lembrou na segunda-feira que, por lei, os padres não podem apoiar qualquer candidato em eventos religiosos, mas "podem falar da importância de preservar a democracia".

Bolsonaro destacou-se ao longo de sua carreira por um discurso autoritário e sua admiração pela ditadura militar (1964-1985).

Haddad disse que Steiner explicou a ele as cinco questões que mais preocupam os católicos que irão às urnas no segundo turno.

Essas questões são "o compromisso com a ação do Estado no combate à violência, no combate à corrupção, o fortalecimento das instituições democráticas, a defesa do meio ambiente e um compromisso com a preservação da vida".

A CNBB emitiu um comunicado no qual afirmou que Haddad "não veio pedir apoio", e também listou os temas discutidos, em outra ordem e com outros termos: "A não legalização do aborto, a proteção do meio ambiente, a preocupação especial pela questão indígena e quilombola (comunidades de descendentes de escravos fugitivos), a defesa da democracia e o rigoroso combate à corrupção".

O programa Haddad não se refere ao aborto. O candidato disse em 2012 ser "pessoalmente contra" sua legalização. Ele também pediu para "estabelecer políticas públicas que ofereçam às mulheres condições para planejar suas vidas".

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.