Navigation

Indígenas brasileiros lançam aplicativo para reportar covid-19

(ARQUIVO) Nesta foto de 17 de janeiro de 2020, membros da tribo Kayapó realizam cerimonial após discurso de seu líder indígena Cacique Raoni Metuktire, na aldeia de Piaracu, próximo a São José do Xingu, Estado de Mato Grosso, Brasil afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 04. setembro 2020 - 21:48
(AFP)

Organizações indígenas e ambientais no Brasil lançaram nesta sexta-feira(04) o aplicativo “Alerta Indígena Covid-19” para relatar a propagação da pandemia em terras indígenas.

“O aplicativo mapeia e atualiza periodicamente a situação da pandemia em cidades num raio de 100 quilômetros ao redor de cada terra indígena da região”, informaram em nota a Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Legal (COIAB) e o Instituto de Pesquisas Ambientais da Amazônia (Ipam).

As informações buscam facilitar aos povos indígenas a identificação de áreas críticas de contágio.

A ferramenta, gratuita e disponível no sistema Android, utiliza dados do Ministério da Saúde, profissionais do sistema de saúde indígena e lideranças e entidades da rede COIAB.

“Esse levantamento de informações, além de orientar nossas estratégias e ações de combate à covid-19, tem revelado também a subnotificação dos órgãos públicos e como o novo vírus nos atinge de forma diferenciada e grave”, afirmou Mário Nicácio Wapichana, vice-coordenador da COIAB, citado no comunicado.

Com mais de 4 milhões de casos e cerca de 125.000 mortes, o Brasil é o segundo país mais afetado pela pandemia.

Entre os indígenas, foram registradas 30 mil infecções e 785 mortes, segundo a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB).

“Os povos indígenas são especialmente vulneráveis ao novo coronavírus, apresentando uma taxa de incidência 249% maior do que a média nacional e de mortalidade 224% mais alta, em análise feita com casos registrados até 28 de agosto”, disse a COIAB.

A rede afirma que a baixa imunidade, a entrada de patógenos estrangeiros, a invasão de terras indígenas e um sistema de saúde precário "são alguns dos motivos desses números alarmantes".

Vários líderes indígenas morreram desde a chegada da pandemia ao país em fevereiro.

Nesta sexta-feira, o emblemático cacique Raoni Metuktire, na casa dos 90 anos, teve alta após ficar internado por uma semana devido ao diagnóstico de covid-19 e complicações colaterais.

O líder Kayapó voltou para sua aldeia no Parque Nacional do Xingu, no centro-oeste do país, onde deve permanecer sob supervisão médica.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.