Navigation

Indígenas marcham para capital do Equador em protesto por alta do combustível

Indígenas marchan em Machachi, Equador afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 07. outubro 2019 - 20:41
(AFP)

Centenas de camponeses e indígenas marchavam nesta segunda-feira (7) para a capital do Equador, Quito, desafiando o governo de Lenín Moreno, que decretou estado de emergência diante dos protestos que ocorrem há seis dias devido ao aumento nos preços dos combustíveis.

Manifestantes das províncias do sul dos Andes avançam desde a noite de domingo a pé e em vans para protestar na capital pela eliminação de subsídios e a consequente alta.

Na cidade de Machachi, a 35 km de Quito, militares e policiais tentaram dispersar a marcha com bombas de gás lacrimogêneo. Barricadas e pneus também podem ser vistos na estrada, segundo jornalistas da AFP.

De acordo com as autoridades, os protestos deixaram um civil morto, 73 feridos (incluindo 59 militares) e 477 detidos.

Vários setores sociais se opuseram ao corte dos subsídios anunciado por Moreno, protestando nas ruas e nas estradas do país desde a última quinta-feira. O corte foi feito no âmbito de um acordo assinado com o FMI para acessar empréstimos de US$ 4,20 bilhões.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.