Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Junho) Forças curdas na linha de frente, no vilarejo de Sulaiman Bek, entre Bagdá e Kirkuk

(afp_tickers)

O primeiro-ministro do Iraque, Nuri al-Maliki, ordenou nesta segunda-feira que a aviação iraquiana ajude as forças curdas, os peshmergas, em sua luta no norte do país contra o grupo jihadista Estado Islâmico (EI), informou um porta-voz do exército, Qasem Ata.

"O comandante-em-chefe das Forças Armadas deu ordens aos chefes da força aérea e das unidades de aviação para proporcionar apoio aéreo às forças peshmerga", indicou, em um comunicado.

Por sua parte, uma alta fonte do exército iraquiano indicou que o Partido da União Democrática (PYD, curso sírio) está em combate nas zonas de Sinjar e Rabia, um setor do norte do Iraque, na fronteira com a Síria.

O PYD, principal partido dos curdos na Síria, postou na internet fotos de seus combatentes na zona de Rabia.

Os jihadistas do Estado Islâmico (EI) anunciaram nesta segunda-feira a intenção de ampliar sua ofensiva nos territórios do norte do Iraque, controlados pelos curdos, que já sofreram vários reveses nos últimos dos días.

"As brigadas do Estado Islâmico alcançaram o triângulo entre a Turquia, Síria e Iraque. Que Deus permita a seus mujahedines libertar toda a região", afirmou o grupo em um comunicado.

O texto recorda as vitórias registradas durante o fim de semana contra os peshmergas, os combatentes armados curdos.

Este é o avanço mais importante desde que em 9 de junho os jihadistas lançaram uma ofensiva e conquistaram em poucos dias amplas zonas do norte do Iraque, incluindo a segunda cidade do país, Mossul, na província de Nínive.

O EI retomou no domingo o controle da cidade iraquiana de Sinjar, noroeste do país, de onde expulsaram quase 200.000 pessoas, segundo a ONU.

A tomada de Sinjar, a 50 km da fronteira síria, representa o segundo revés em dois dias para os combatentes curdos ante os jihadistas, que proclamaram no fim de junho um "califado" nos territórios sob seu controle na Síria e Iraque.

Sinjar, situada entre a fronteira com a Síria e a cidade iraquiana de Mossul, tinha 310.000 habitantes e também abrigava milhares de pessoas deslocadas pela ofensiva das últimas semanas dos insurgentes sunitas, liderados pelo EI, na região. Uma parte dos refugiados são turcomanos xiitas.

A cidade também é o lar histórico dos yazidis, uma minoria de língua curda adepta de uma religião pré-islâmica procedente em parte do zoroastrismo. Os jihadistas os consideram adoradores do diabo.

De acordo com o partido UPK, os jihadistas sunitas destruíram o santuário xiita de Sayeda Zeinab, pouco depois de assumir o controle de Sinjar.

O EI, que controla amplos territórios no norte e oeste do Iraque, divulgou na internet fotografias de seus combatentes patrulhando a principal avenida de Sinjar.

A tomada Sinjar aconteceu um dia depois da conquista de Zumar, outra cidade próxima a Mossul, de onde o EI expulsou as forças curdas após combates violentos.

Os insurgentes assumiram o controle ao mesmo tempo de dois campos de petróleo com produção total de 20.000 barris diários, assim como de uma pequena central de energia elétrica.

Zumar e Sinjar integravam as áreas que os peshmerga assumiram o controle após a retirada do exército iraquiano, no início da ofensiva dos insurgentes sunitas em junho.

As forças curdas, consideradas as mais bem organizadas do país, também enfrentam as dificuldades financeiras e militares para garantir a segurança de um território 40% mais amplo.

Uma delegação curda está atualmente nos Estados Unidos para obter apoio militar.

Mas a ajuda precisa, em tese, da aprovação de Bagdá, onde as instituições estão quase paralisadas. Os deputados xiitas têm até 8 de agosto para designar o candidato ao cargo de primeiro-ministro.

AFP