Navigation

Itália tem novo recorde de contágios por covid-19: 31.000 em 24 horas

Membro de equipe médica usa roupa de proteção ao chegar a uma unidade de cuidados intensivos para a covid-19 no hospital San Filippo Neri, de Roma, em 29 de outubro de 2020 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 30. outubro 2020 - 20:12
(AFP)

A Itália registrou nesta sexta-feira (30) um novo recorde de novos casos de coronavírus, com mais de 31.000 contagiados em 24 horas.

As cifras do ministério da Saúde alimentaram o debate nacional sobre se a Itália deveria endurecer ainda mais as medidas para conter o vírus, apesar de ter introduzido novas restrições há poucos dias.

"Mais de 31.000 casos e 199 mortos. Eu me pergunto, o que estamos esperando?", lamentou o virologista Roberto Burioni no Twitter, pedindo medidas mais estritas diante do aumento de casos.

A situação "está piorando em todo o país", admitiu durante coletiva de imprensa o diretor do Instituto Superior de Saúde, Silvio Brusaferro.

"Está aumentando o número de pessoas que chegam aos cuidados intensivos", alertou o especialista.

Primeiro país da Europa gravemente afetado pela pandemia em março, a Itália registrou 31.084 novos casos na sexta-feira, elevando o total de contágios a mais de 325.000.

Mais de 38.000 pessoas morreram em virtude da covid-19, segundo cifras oficiais.

"Não posso antecipar se um 'lockdown' total será decretado, nem quando", admitiu Domenico Arcuri, comissário especial do governo para a emergência do coronavírus.

"A cifra que mais nos preocupa neste momento são os pacientes hospitalizados", que aumentou para quase 17.000 pessoas.

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, decidiu no domingo adotar novas restrições em nível nacional depois que o número de casos no país começou a disparar e apesar da dura oposição dos líderes regionais e dos protestos nas ruas.

Cinemas, teatros academias de ginástica e piscinas fecharam, enquanto restaurantes e bares devem parar de funcionar às 18H00 locais (14H00 de Brasília).

Sete regiões impuseram toque de recolher, e o Vale de Aosta, no norte, se tornará a oitava no sábado.

Conte explicou que vai avaliar primeiro o resultado das últimas medidas adotadas antes de decidir por um 'lockdown' total do país por medo das graves consequências econômicas que pode ter.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.