Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Soldado japonês participa em um exercício de tiro com os marines dos Estados Unidos no Camp Pendleton, sul da Califórnia, em 9 de fevereiro de 2014

(afp_tickers)

O Japão venderá aos Estados Unidos vários captadores para um sistema de mísseis depois de ter flexibilizado as regras que, desde 1967, proibiam vender material militar, indicou neste domingo a imprensa japonesa.

A Mitsubishi Heavy Industries exportará para os Estados Unidos captadores de alta qualidade para o sistema de mísseis de defesa PAC-2, que depois será vendido ao Qatar, informou o jornal econômico Nikkei sem citar fontes.

A publicação informa ainda que a decisão será confirmada até o final do mês.

No início de abril, o Japão levantou a proibição de vender armas ao exterior imposta em 1967, o que permite ao país participar em programas conjuntos de armamento e desenvolver sua indústria de defesa.

O Japão pode agora exportar material militar a países que estão diante de linhas marítimas por onde transitam as importações de petróleo e gás, cruciais para o Japão.

No entanto, as novas regras, aprovadas por Washington, impedem exportar armas que sejam uma ameaça para a paz e a segurança mundiais. O governo de Tóquio também se compromete a evitar o risco de uma reexportação para um terceiro país.

Para justificar estas decisões, o primeiro-ministro conservador Shinzo Abe fala há meses de novas ameaças para o Japão, uma referência indireta à China, que aumenta a cada ano seu orçamento militar.

AFP