Navigation

Jihadistas expulsam comunidade de mosteiro iraquiano

(Junho) Jihadistas na fronteira com a Síria afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 21. julho 2014 - 15:11
(AFP)

Os jihadistas do Estado Islâmico (EI) tomaram o controle de um antigo mosteiro localizado ao norte do Iraque, de onde expulsaram seus monges, informaram testemunhas e um religioso.

Os combatentes do EI invadiram no domingo o monastério de Mar Behnam, um dos locais de culto mais antigos do cristianismo no Iraque, e obrigaram uma comunidade de monges da Igreja Católica síria a deixar o local situado perto de Qaraqosh.

"Vocês já não têm mais lugar aqui. Devem ir embora imediatamente", disseram os insurgentes deste grupo ultrarradical sunita, segundo um membro do clero sírio.

Os monges caminharam vários quilômetros antes de serem levados pelos combatentes curdos peshmergas até Qaraqosh, segundo habitantes cristãos da cidade.

A Igreja Católica síria indicou que os jihadistas expulsaram cinco monges. Segundo famílias cristãs da região, nove religiosos viviam no monastério.

O EI lançou na sexta-feira um ultimato à minoria cristã de Mossul, cidade sob controle dos insurgentes, para que a abandonassem.

O patriarca caldeu Luis Rafael I Sako indicou que a maioria dos 35.000 cristãos de Mossul deixaram a cidade, a segunda maior do país.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.