Navigation

Juiz peruano ordena prisão de outro acusado com Keiko Fujimori

Um tribunal peruano ordenou a prisão preventiva de um homem acusado juntamente com a líder opositora Keiko Fujimori de ter recebido da empreitera brasileira Odebrecht suposto dinheiro ilegal de campanha afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 21. novembro 2018 - 10:56
(AFP)

Um tribunal peruano ordenou a prisão preventiva de um homem acusado juntamente com a líder opositora Keiko Fujimori de ter recebido da empreitera brasileira Odebrecht suposto dinheiro ilegal de campanha.

O juiz Richard Concepción Carhuancho determinou 36 meses de prisão preventiva contra o investigado Giancarlo Bertini pelo suposto crime de lavagem de dinheiro.

A Promotoria pediu a prisão preventiva de Bertini por considerar que ele integrava um grupo de colaboradores de Keiko que receberam dinheiro de modo ilegal da Odebrecht.

O juiz emitiu uma ordem de captura nacional e internacional contra Bertini, que não compareceu à audiência.

Este é o sexto envolvido nas investigações contra o partido fujimorista que recebe ordem de prisão, enquanto avançam a investigações do procurador José Domingo Pérez.

A pedido de Pérez, outro tribunal proibiu no sábado que o ex-presidente Alan García (1985-1990 e 2006-2011) saia do país durante 18 meses, ao ampliar as investigações do caso Odebrecht.

O ex-presidente pediu asilo político na embaixada do Uruguai em Lima. Montevidéu ainda não respondeu a solicitação.

O caso Odebrecht também provoca investigações contra os ex-presidentes Alejandro Toledo (2001-2006), Ollanta Humala (2011-2016) e Pedro Pablo Kuczynski (2016-2018).

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.