Navigation

Justiça condena réu a 13 anos de prisão por querer treinar Al-Qaeda

Prédio da Suprema Corte americana afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 30. junho 2014 - 23:00
(AFP)

A Justiça dos Estados Unidos condenou a 13 anos de prisão, nesta segunda-feira, um cidadão americano que admitiu sua intenção de viajar para o Paquistão para treinar e fornecer armas a membros da Al-Qaeda.

O juiz do distrito de Los Angeles John F. Walter considerou que o crime de Sinh Vinh Ngo Nguyen, de 25 anos, também conhecido como Hassan Abu Omar Ghannum, "é uma ofensa muito grave que exige uma longa condenação", segundo o comunicado divulgado hoje.

Nguyen havia se declarado culpado à justiça no ano passado de tentar fornecer material de apoio a uma organização terrorista estrangeira. Ele já lutou com grupos armados contrários ao presidente sírio, Bashar al-Assad.

Entre 3 de agosto e 11 de outubro de 2013, Nguyen se encontrou com um agente disfarçado da Polícia Federal americana (FBI), que se apresentou como um recrutador da Al-Qaeda. No encontro, ele manifestou sua intenção de ser enviado ao Paquistão para treinar entre cinco e seis semanas uma guerrilha que atacaria forças da coalizão no final desse mesmo ano.

Em sua declaração do ano passado, ele alegou que queria voltar para a jihad, "porque nasceu para isso".

No encontro com o falso recrutador, Nguyen deu uma fotografia sua para conseguir um passaporte americano falso. Também comprou uma passagem aérea para viajar do México a Peshawar, no norte do Paquistão.

Em 11 de outubro do ano passado, ele foi detido quando se preparava para embarcar em um ônibus em Santa Ana, sul de Los Angeles, para cruzar a fronteira com um documento de identidade falso e "cerca de 180 vídeos de treinamentos sobre como disparar armas de fogo".

Sinh Nguyen admitiu ainda ter se unido, em 2012, a grupos armados para lutar contra as forças leais ao presidente Al-Assad e revelou ter matado pelo menos uma pessoa. Ao voltar para os Estados Unidos, ofereceu-se para treinar membros da Al-Qaeda na Síria, mas sua proposta foi rejeitada.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?