Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O juiz negou o pedido da defesa para a realização de um novo julgamento e apoiou a decisão do juri, que recomendou a pena capital, apoiada nas evidências.

(afp_tickers)

Um serial killer condenado à morte em 2007 por ter matado 10 mulheres foi sentenciado nesta sexta-feira a uma segunda pena capital por homicídio de outras quatro pessoas em Los Angeles entre 1987 e 1997.

O juiz da Corte Suprema de Los Angeles Robert J. Perry declarou que as evidências contra Chester D. Turner, 47 anos, são "convincentes" e os testes de DNA, "irrefutáveis".

Perry afirmou que o condenado "atacou durante anos mulheres na cidade", enfatizando que "não há dúvidas sobre seu risco para a sociedade".

O juiz negou o pedido da defesa para a realização de um novo julgamento e apoiou a decisão do juri, que recomendou a pena capital "totalmente apoiado nas evidências".

Turner, nascido no Arkansas, foi considerado culpado, no dia 19 de junho passado, pelo assassinato de quatro mulheres, de 28, 30, 33 e 42 anos, entre 1987 e 1997, todas vizinhas do acusado.

Durante o julgamento, a promotoria afirmou que o acusado é "um homem cuja onda de crimes abalou todo um bairro e deixou uma dezena de crianças sem mãe".

Turner, que trabalhava como entregador de pizza, foi sentenciado em 2007 à pena capital pela morte de outras 10 mulheres, entre 1987 e 1998, todas residentes em Los Angeles.

A polícia de Los Angeles pôde relacionar Turner aos homicídios do primeiro caso por meio de testes de DNA que obtiveram após o homem ser detido em 2002 por violentar uma mulher.

AFP