Navigation

Justiça pede prisão preventida de ex-secretário de Rafael Correa no Equador

Os subornos da Odebrecht foram encontrados em vários países da América Latina afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 01. junho 2019 - 16:45
(AFP)

A Justiça equatoriana mandou prender preventivamente um secretário e ministro do governo do ex-presidente Rafael Correa, envolvido em uma investigação por suposto financiamento de empresas, incluindo a Odebrecht, à campanha presidencial de 2013.

A juíza Daniella Camacho do Tribunal Nacional "ordenou a detenção preventiva contra Alexis M. (Mera)" ex-secretário jurídico da Presidência, e o "uso de dispositivo de monitoramento eletrônico" para Maria de los Angeles Duarte, disse a Promotoria em um comunicado.

Duarte, que era ministra dos Transportes e Obras Públicas do governo de Correa, também está proibida de sair do país e deve comparecer periodicamente perante os tribunais.

Ambos ex-funcionários foram presos ontem, na cidade de Guayaquil (sudoeste) e são "processado pelo suposto crime de extorsão", punível com até cinco anos de prisão, disse que a acusação.

Camacho também ordenou a apreensão e congelamento de ativos no valor de 3,5 milhões de dólares de Mera e 2,5 milhões de dólares de Duarte.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.