Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Material usado por médicos no tratamento da Ebola, em hospital em Monróvia, capital da Libéria, em 24 de julho de 2014.

(afp_tickers)

Um médico e uma voluntária americanos que colaboram na luta contra a epidemia de febre hemorrágica produzida pelo vírus Ebola em vários países da África ocidental foram infectados na Libéria, anunciou a organização humanitária para a qual trabalham.

A Samaritan's Purse (SP), uma associação beneficente cristã, informou em seu site no sábado que o médico Kent Brantly foi colocado em quarentena no hospital ELWA de Monróvia, capital da Libéria.

"Estamos otimistas sobre sua recuperação, mas ainda não está certamente fora de perigo", declarou à AFP neste domingo a porta-voz de SP, Melissa Strickland.

Segundo ela, seus sintomas incluem febre e dores musculares.

O doutor Brantly é casado e pai de dois filhos, de acordo com um comunicado da ONG publicado na internet.

A voluntária infectada é Nancy Writebol, que trabalha para a organização cristã SIM na gestão do hospital, e se encontra em estado estável, informou a Samaritan's Purse.

Casada e com dois filhos, Writebol é responsável pela higiene e desinfecção da roupa de proteção do pessoal que entra em contato com os pacientes no isolamento.

"Ambos recebem cuidados intensivos, mas trata-se de uma situação de risco", disse Strickland à AFP, destacando que uma administração rápida do tratamento é crucial para vencer esta doença que mata 90% dos pacientes.

O vírus do Ebola continua se agravando, com a morte de 28 pessoas entre 18 e 20 de julho em três países do oeste da África, o que eleva o total de vítimas a 660 mortos, indicou a Organização Mundial de Saúde (OMS).

AFP