Navigation

Maduro acusa Duque de promover racha na Força Armada venezuelana

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, durante entrevista coletiva em Caracas, em 18 de setembro de 2018 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 05. outubro 2018 - 00:06
(AFP)

O presidente Nicolás Maduro acusou nesta quinta-feira (4) o seu homólogo colombiano, Iván Duque, de buscar um racha na Força Armada venezuelana e disse que o seu governo é uma mistura de "ódio" e "inexperiência".

Duque "é um diabo que odeia a Venezuela e está conspirando diariamente contra o nosso país, contra a nossa Força Armada Nacional Bolivariana. Da Colômbia financiam a conspiração para prejudicar a nossa Força Armada", disse Maduro durante um ato público.

Com grande poder político e econômico, os militares são considerados por especialistas como o principal pilar do presidente venezuelano, que enfrenta uma forte rejeição popular pela crise econômica e submetido a um cerco diplomático.

"O governo satélite da Colômbia é um governo perigoso porque (...) combina muito ódio com inexperiência", destacou Maduro no evento transmitido pela televisão oficial.

O governante socialista acusa Juan Manuel Santos, antecessor de Duque, de estar por trás da explosão de dois drones quando fazia um discurso durante uma parada militar, em 4 de agosto.

Maduro denuncia esses fatos como um "magnicídio em grau de frustração" e pediu à Colômbia que entregue ao ex-presidente do Parlamento Julio Borges, a quem acusa pelo ataque com os drones e que está exilado em Bogotá.

O direitista Duque, que tem a última palavra frente às solicitações de extradição, já o descartou e pediu à comunidade internacional que asfixie a "ditadura" de Maduro para que haja uma transição política na Venezuela.

Maduro reiterou o seu pedido aos militares para que fiquem em alerta, em um momento em que denuncia que a direita colombiana quer gerar um confronto armado com a Venezuela.

"Alerto os nossos militares: máxima moral, máxima lealdade, máximo compromisso diante da conspiração oligárquica colombiana do governo de Iván Duque!", sustentou.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.