Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, condecorou os agentes cubanos conhecidos como os "cinco heróis", em Caracas, no dia 5 de maio de 2015

(afp_tickers)

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, condecorou nesta terça-feira os agentes cubanos conhecidos como os "cinco heróis", que estiveram detidos mais de 15 anos nos Estados Unidos, e os classificou de "patriotas latino-americanos".

O presidente deu a ordem Libertadores da Venezuela a Antonio Guerrero, Fernando González, Gerardo Hernández, Ramón Labañino e René González, "esses cinco fervorosos patriotas cubanos e latino-americanos, que foram ao território americano para deter ataques terroristas que planejados contra o povo cubano", disse.

Durante sua intervenção, Maduro criticou que as agências de notícias internacionais classificassem como "espiões" os cubanos, soltos em 2013 e 2014.

Os cinco agentes foram detidos em 1998 acusados de integrar a "Rede Vespa", a maior organização de espiões cubanos detectados em operações nos Estados Unidos, e condenados à prisão em 2001.

O ato aconteceu no Panteão Nacional em Caracas, onde estão os restos mortais de heróis venezuelanos, como o de Simón Bolívar.

Os cubanos foram na segunda-feira ao Cuartel de la Montaña, onde o ex-presidente Hugo Chávez (1999-2013) foi sepultado, e devem participar de vários atos políticos com o Executivo venezuelano até o próximo sábado.

Os agentes cubanos também receberam nesta segunda-feira as chaves de Caracas em um ato oficial celebrado na praça Bolívar da capital venezuelana.

AFP