Navigation

Maduro e chavismo avançam para legislativas sem Guaidó e a oposição

Nicolás Maduro e Juan Guaidó afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 16. junho 2020 - 17:21
(AFP)

Nicolás Maduro e o chavismo apontam para eleições parlamentares na Venezuela sem Juan Guaidó ou os principais partidos da oposição, o que, segundo analistas, prolongará a crise gerada pelas eleições presidenciais que em 2018 questionaram a legitimidade do governante socialista.

Os maiores partidos da oposição anunciaram um boicote às legislativas, previstas para este ano, mas ainda sem data, depois que o Supremo Tribunal de Justiça (TSJ), pró-governo, nomeou "reitores escolhidos a dedo" no Conselho Nacional Eleitoral (CNE).

A designação dessas autoridades corresponde, por lei, ao Parlamento liderado por Guaidó.

Maduro pretende assumir o controle da Assembleia Nacional unicameral, o único poder nas mãos da oposição, que conquistou 112 de 167 assentos nas eleições de dezembro de 2015, quebrando 15 anos de hegemonia chavista.

Para isso, o presidente e seus aliados preparam votos "nas condições que desejam", diz o historiador e professor universitário Pedro Benítez à AFP.

- Maduro "embaralha" o jogo -

Para isolar Guaidó, Maduro "embaralha o jogo político", disse à AFP Luis Vicente León, presidente da empresa de pesquisas Datanálisis.

"Eles estão tentando, de todas as formas, neutralizá-lo", diz Benigno Alarcón, diretor do Centro de Estudos Políticos da Universidade Católica Andrés Bello, de Caracas.

Reconhecido por cinquenta países como presidente encarregado da Venezuela, posição que ele reivindicou em janeiro de 2019 como chefe do Parlamento, Guaidó enfrenta numerosos processos judiciais que visam "desmotivar o voto da oposição", segundo Alarcón.

"Chegou a hora!", comemorou Maduro, referindo-se às eleições legislativas, que ficaram suspensas pela pandemia da COVID-19, depois que o TSJ assumiu a nomeação de uma nova CNE ao declarar uma "omissão" do Parlamento.

"Eles disseram que não vão às eleições porque sabem que perderam", afirmou o presidente nesta terça-feira em uma videoconferência do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV).

Maduro "não faz isso para controlar a Assembleia em termos legislativos", mas para "enfraquecer" Guaidó, diz León.

Sem concretizar mudanças políticas, a popularidade do líder parlamentar caiu de 63% quando ele assumiu o cargo de presidente interino para 25,5% em maio passado, o mínimo, segundo Datanálisis, dando a Maduro uma aprovação de 13,1%.

Até o momento, não há pesquisas sobre tendências de votação nas legislativas.

- Legitimidade? -

Os Estados Unidos e a União Europeia questionaram se o TSJ nomeou diretamente as autoridades eleitorais.

"O regime selecionou uma CNE que selará suas decisões e ignorará as condições necessárias para eleições livres", afirmou o chefe da diplomacia americana, Mike Pompeo, na segunda-feira.

O Grupo Internacional de Contato, formado por países da Europa e da América Latina em favor de diálogos diante da crise venezuelana, divulgou um comunicado divulgado nesta terça indicando que o que aconteceu "prejudica a credibilidade" de futuras eleições.

Benítez vê uma reedição das circunstâncias das eleições presidenciais de maio de 2018, que registraram a maior abstenção em seis décadas e não foram reconhecidas pelos Estados Unidos e por vários países da América Latina e Europa.

A maior parte da oposição as boicotou, denunciando "fraudes".

Com os parlamentares, Maduro tenta "recuperar alguma legitimidade, mas não será suficiente", disse o historiador Benítez.

Essa legitimidade dependeria de "um acordo político", acredita Leon, presidente da Datanálisis. Mas o TSJ rejeitou as negociações no Parlamento para renovar os reitores eleitorais.

Além disso, muitos líderes e os principais partidos de oposição estão afastados por decisões judiciais, e cerca de vinte deputados estão presos, exilados ou refugiados em sedes diplomáticas.

O tribunal suspendeu a direção do histórico Partido de Ação Democrática na segunda-feira, e nesta terça fez o mesmo com o conselho de outra das maiores organizações da oposição, Primero Justicia (centro).

Um grupo de partidos minoritários da oposição, em negociações com Maduro, iria às urnas.

- "Novo nível de pressão" -

Guaidó tenta reativar os protestos, enfraquecidos nos últimos meses pela chegada da pandemia de COVID-19 à Venezuela em meio a uma grave crise socioeconômica.

Agora, diante da ofensiva do TSJ, Guaidó pediu para "retomar as ruas respeitando o distanciamento social".

"Não podemos assumir uma política passiva", disse Guaidó no sábado, prometendo um "novo nível de pressão", sem dar detalhes.

A força do líder legislativo para convocar manifestações caiu junto com sua popularidade, à medida que Maduro resiste ao poder com o apoio das Forças Armadas e de países como Rússia ou China.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.