Navigation

Maioria dos colombianos desaprova gestão do presidente Duque

O presidente colombiano Iván Duque conversa com professores de uma escola em Leticia, no estado do Amazonas, em 9 de novembro de 2018 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 16. novembro 2018 - 22:35
(AFP)

Quase 65% dos colombianos desaprovam a gestão do presidente de direita Iván Duque, que em apenas três meses de mandato enfrenta um crescente descontentamento social, revelou uma pesquisa nesta sexta-feira (16).

Duque completou 100 dias no cargo com um índice de aprovação de 27,2%, contra uma rejeição de 64,8%, informou a empresa Invamer. Não responderam ao questionário 8%.

Trata-se de uma das taxas de desaprovação mais altas de um presidente no início do mandato, afirmam analistas.

Os problemas que mais preocupam os colombianos são corrupção, desemprego, insegurança, qualidade e cobertura da educação, assim como a saúde. Acreditam que o país segue um caminho ruim 73,8% dos consultados contra 20,9% que afirmam o contrário.

Duque, que chegou ao poder conduzido pelo senador e ex-presidente Álvaro Uribe, a figura mais influente da direita na Colômbia, atribuiu seu desgaste precoce às "decisões responsáveis" que adotou.

"Tomar decisões responsáveis tem um custo, mas estamos fazendo o que temos que fazer, pensando no bem-estar de todos. Recebo as pesquisas com humildade e devemos seguir trabalhando", afirmou o presidente em entrevista à Blu Radio, um dos veículos que encomendaram o estudo.

A pesquisa, que consultou 1.008 pessoas em nível nacional entre 9 e 12 de novembro, tem margem de erro de 3,09%.

Duque assumiu a Presidência em 7 de agosto com um plano concentrado em corrigir a política de paz de seu antecessor, o combate frontal ao narcotráfico e a recuperação econômica, após o magro crescimento de 1,8% em 2017.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.