Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Soldados israelenses são vistos na cidade de Halhul, perto de Hebron, na Cisjordânia, onde os corpos dos três jovens israelenses desaparecidos foram encontrados, em 30 de junho de 2014

(afp_tickers)

Cerca de 200 pessoas participaram nesta terça-feira em uma manifestação antiárabe em Jerusalém, à margem do funeral dos três jovens israelenses encontrados mortos na segunda-feira na Cisjordânia ocupada.

Aproximadamente, "200 pessoas tentaram bloquear a estrada que leva à Jerusalém. A polícia dispersou a manifestação que, em seguida, deslocou-se para o centro da cidade, onde os manifestantes gritavam palavras de ordem antiárabes", informou o porta-voz da polícia israelense, Micky Rosenfeld, acrescentando que 28 manifestantes foram presos.

"Esta é uma caça aos árabes, eles entram nos trens, param carros na estrada e gritam 'morte aos árabes", disse uma testemunha à AFP.

A polícia israelense foi colocada em alerta em todo o país para ataques ou represálias contra a minoria árabe em Israel e contra os palestinos na Cisjordânia.

O governo israelense acusa o movimento islâmico palestino do Hamas de ser responsável pelo sequestro e assassinato dos três jovens, ameaçando represálias.

Eyal Yifrach, de 19 anos, Naftali Frankel e Gilad Shaer, ambos de 16 anos, foram encontrados mortos na segunda-feira nos arredores da cidade de Halul, perto da estrada onde eles foram vistos pela última vez no sul da Cisjordânia.

Os três jovens foram enterrados nesta terça-feira à tarde no cemitério de Modi'in, entre Jerusalém e Tel Aviv, em uma cerimônia com a presença de dezenas de milhares de pessoas.

AFP