Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(11 jul) Militante participa em Paris de uma manifestação em apoio aos palestinos e contra as operações militares israelenses

(afp_tickers)

A prefeitura de Paris proibiu nesta sexta-feira a realização de uma manifestação pró-palestinos na capital francesa, depois que, no domingo passado, foram registrados choques diante de duas sinagogas.

"Ante os riscos graves para a ordem pública que sua realização geraria em um contexto de tensão, o prefeito decidiu proibir a manifestação", afirma o comunicado oficial.

Os organizadores da manifestação indicaram que apresentarão um recurso ante a justiça pedindo a manutenção do evento.

No domingo passado, várias manifestações a favor da população de Gaza e contra Israel foram organizadas em cidades francesas, com alguns confrontos registrados no fim de uma passeata em Paris.

Na capital francesa, os manifestantes - sete mil, segundo a polícia, e 30 mil, de acordo com os organizadores - tomaram as ruas do bairro de Barbès (norte), atrás de uma faixa que dizia "Apoio total à luta do povo palestino".

A marcha transcorreu de forma tranquila no início, com a presença de jovens e mulheres, aos gritos de "Somos todos palestinos!", "Israel, assassina!" e "uma única solução, que acabe a ocupação!".

Quando o grupo chegou à Praça da Bastilha, começaram os confrontos com as forças de segurança em várias ruas. Os manifestantes lançaram artefatos contra os policiais e os gendarmes, que responderam com granadas de gás lacrimogêneo. Algumas lojas foram danificadas.

Os choques não duraram muito e não se espalharam para o restante da manifestação, que se dispersou debaixo da chuva no início da noite.

Manifestantes pró-Palestina tentaram se aproximar de algumas sinagogas nos arredores, disse à AFP uma fonte da polícia.

Outras cidades francesas também tiveram protestos, entre elas, Lille (norte), Bordeaux (oeste) e Marselha (sul).

AFP