Navigation

Menem é condenado a mais três anos de prisão na Argentina

O ex-presidente e atual senador Carlos Menem (D) no dia 28 de fevereiro de 2019 em um tribunal de Buenos Aires. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 27. março 2019 - 22:51
(AFP)

O ex-presidente argentino Carlos Menem e seu então ministro Domingo Cavallo foram condenados nesta quarta-feira a mais de três anos de prisão por peculato.

Um tribunal de Buenos Aires sentenciou Menem a três anos e nove meses de prisão, e a inabilitação para exercer públicos, mas enviou a sentença ao Senado, que analisará se suspende a imunidade parlamentar do ex-presidente.

Cavallo foi condenado a três anos e seis meses, e também proibido de exercer cargos públicos, por coautoria no crime de peculato.

Os dois poderão apelar.

O caso envolve a venda à Sociedade Rural, em 1991, de amplos terrenos do Estado situados em uma das regiões mais caras de Buenos Aires, a um preço muito inferior a seu valor real.

A venda foi autorizada por um decreto firmado por Menem e Cavallo, pelo valor total de 30 milhões de dólares, quando os terrenos estavam avaliados em 131,8 milhões de dólares.

Menem, 88 anos, já foi condenado a sete anos de prisão pela venda ilegal de armas à Croácia e ao Equador entre 1991 e 1995, mas a pena prescreveu.

O ex-presidente também foi condenado a 4 anos e seis meses de prisão por pagamentos irregulares a funcionários do seu governo, mas o recurso está em análise.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.