Navigation

Ministro do Interior do Peru propõe manter toque de recolher até fim do ano

Pessoas esperam para receber o auxílio emergencial em Iquitos, na região peruana de Loreto, em junho de 2020 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 16. junho 2020 - 19:35
(AFP)

O toque de recolher noturno em vigor desde março no Peru deverá ser mantido até dezembro devido à pandemia, além de visar conter um aumento previsível da violência, informou nesta terça-feira (16) o ministro do Interior, Gastón Rodríguez.

"Quanto ao toque de recolher, também fizemos a proposta de mantê-lo até o final do ano. Está sob avaliação" do governo, declarou o general Rodríguez à emissora Latina.

O chefe da segurança interna enfatizou que há um risco de aumento do crime caso o toque de recolher seja suspenso.

"Sabemos que os atos criminosos ocorrem mais à noite e nas primeiras horas da manhã. Nos finais de semana, os criminosos aproveitam o fato de que as pessoas estão chegando de uma noite de diversão para roubá-las", explicou o general.

O ministro do Interior juntou-se a seu colega da Defesa, o general Walter Martos, que havia sugerido no final de maio manter o toque de recolher por tempo indeterminado, argumentando que a pandemia deve permanecer sob controle.

"Quanto ao crime, haverá um aumento, porque os criminosos estão cumprindo a quarentena (obrigatória), e essa situação (agressões, assaltos) já está começando a ocorrer", afirmou.

O Peru está sob toque de recolher noturno há 90 dias. Em Lima, ele ocorre entre as 21H00 e as 4H00 do dia seguinte, enquanto nas regiões mais afetadas pelo vírus, entre as 18H00 e as 4H00, de segunda a sábado. Aos domingos, a restrição se estende por 24 horas em todo o país.

O ministro indicou que a polícia reforçará a segurança nas ruas com um adicional de 5.000 policiais a partir de agosto.

O Peru estendeu a quarentena e o toque de recolher até 30 de junho.

"Os crimes aumentarão quando o confinamento terminar, porque a pobreza aumentou e há pessoas que ficaram sem renda e trabalho", defendeu o ex-ministro do Interior, Fernando Rospigliosi, em entrevista à AFP há uma semana.

Em maio, a imprensa começou a mostrar o aumento de ataques a farmácias e o tráfico ilegal dos suprimentos médicos.

No Peru, há 232.992 casos registrados da COVID-19, o segundo maior número na região da América Latina, atrás somente do Brasil. Há 6.860 mortos.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.