Navigation

Morales disposto a disputar segundo turno, apesar de reivindicar vitória 

O presidente boliviano Evo Morales anunciou que venceu as eleições gerais no primeiro turno, obtendo mais de 10 pontos de diferença sobre o adversário Carlos Mesa, o que, de acordo com a lei, impossibilita o segundo turno afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 24. outubro 2019 - 13:20
(AFP)

O presidente Evo Morales disse nesta quinta-feira que está disposto a disputar um segundo turno com o adversário Carlos Mesa, apesar de já ter reivindicado sua vitória no primeiro turno nas eleições gerais da Bolívia.

"Se o resultado final disser que vamos para o segundo turno, iremos (mas) se o cálculo oficial disser que não há segundo turno, respeitaremos, e o defenderemos", afirmou o presidente, lembrando que é necessário concluir em 100% da contagem de votos e que os números podem variar.

Segundo o Supremo Tribunal Eleitoral (TSE), com 98,54% de apuração, Morales soma 46,85% dos votos, seguido por Mesa com 36,68%.

A lei diz que é preciso vencer no primeiro turno, quando o candidato obtém mais de 40% dos votos e 10 pontos de diferença no segundo.

Mais cedo, Morales anunciou ter venceu as eleições gerais no primeiro turno.

"Boas notícias ... Nós já vencemos no primeiro turno", disse Morales em entrevista coletiva.

Na véspera, o oponente disse que não reconheceria os resultados do Supremo Tribunal Eleitoral, que ele acusa de ter manipulado os votos para favorecer o candidato oficial.

Mesa também anunciou a formação de uma "Coordenação de Defesa da Democracia", com o objetivo de pressionar para que haja um segundo turno.

O objetivo da aliança com os partidos da direita e líderes centristas é "conseguir que se cumpra a vontade popular de definir a eleição presidencial no segundo turno", destacou em uma nota publicada no Twitter.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.