Navigation

Morre o ex-presidente Gustavo Noboa, arquiteto da dolarização no Equador

O ex-presidente do Equador Gustavo Noboa em Quito, 13 de janeiro de 2003 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 16. fevereiro 2021 - 20:26
(AFP)

O ex-presidente equatoriano Gustavo Noboa, que implementou a dolarização na economia de seu país no ano 2000, morreu aos 83 anos, anunciou o presidente Lenín Moreno.

"O Equador está de luto. A partir de amanhã, decretarei luto nacional em memória de Gustavo Noboa, ex-presidente da República", publicou Moreno no Twitter.

Noboa (2000-2003, centro) assumiu o mandato por sucessão constitucional, porque era vice-presidente quando, em janeiro de 2000, o então chefe de Estado Jamil Mahuad (1998-2000, centro) foi destituído por uma rebelião de indígenas e militares.

Moreno afirmou que Noboa foi um "amigo querido, um democrata respeitado, um formador moral da juventude, um patriota. Minhas condolências a sua família e amigos".

Em março de 2000, com Noboa no comando do governo, o Equador adotou a dolarização como uma saída para uma profunda crise bancária, em um momento em que a alta dos preços ameaçava se transformar em hiperinflação.

"Um presidente honesto e responsável que liderou com sucesso o país em tempos muito difíceis", escreveu seu amigo pessoal, o ex-vice-presidente Alberto Dahik (1992-1995), no Twitter.

Noboa estava no Jackson Memorial Hospital, em Miami (Estados Unidos), onde foi operado no dia 9 de fevereiro para tratar um meningioma.

Embora a cirurgia foi um sucesso, sua situação se complicou e o ex-presidente sofreu um infarto nesta terça-feira, segundo a imprensa local.

Noboa, advogado e professor universitário, foi governador de Guayas, cuja capital é sua cidade natal, Guayaquil (sudoeste). Ele também foi vice-presidente do Equador (1998-2000).

“O Equador perde um de seus melhores homens. Formador da juventude, estadista. Um ser excepcional”, lembrou seu advogado, Joffre Campaña.

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?