Navigation

Morreu o ex-chanceler argentino Héctor Timerman

Héctor Timerman afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 30. dezembro 2018 - 16:15
(AFP)

Héctor Timerman, ex-chanceler argentino que tentou reativar a causa do violento atentado contra o centro judeu AMIA mediante um polêmico acordo com o Irã, morreu na madrugada deste domingo, vítima de um câncer, informou a família.

Timerman, 65 anos, foi chefe da diplomacia argentina entre 2010 e 2015, durante o governo da ex-presidente Cristina Kirchner.

Seu desempenho público gerou uma grande controvérsia aguda entre os que defenderam e os que criticaram o memorando com Teerã, assinado em 2013.

A origem dessa questão diplomática e política sensível foi a bomba que explodiu em 18 de julho de 1994 no prédio de sete andares da AMIA em Buenos Aires, que deixou 85 mortos e 300 feridos.

Em 2006, o governo do falecido presidente Néstor Kirchner (2003-2007) acusou ex-governadores iranianos, incluindo o ex-presidente Ali Rafsanjani, do ataque.

A sucessora no poder, Cristina Kirchner (2007-2015) repetidamente pediu a Teerã para que permitisse investigar os suspeitos.

Por gestão de Timerman, o governo iraniano assinou um acordo para que uma comissão internacional de juristas realizasse a investigação em um país neutro.

O Congresso argentino aprovou o acordo por grande maioria, com o apoio de governos e aliados.

O parlamento iraniano, por outro lado, não o endossou.

E Kirchner e Timerman foram acusados pelos governos dos Estados Unidos e Israel de cometer um erro grave ao assinar um memorando com o que consideravam "um estado terrorista".

O ex-presidente e ex-chanceler foram indiciados e julgados na justiça argentina por "traição contra a pátria" por causa desse acordo.

O Ministério das Relações Exteriores argentino expressou suas condolências à família do falecido, juntamente com líderes e ex-funcionários da administração integrada por Timerman.

Todos destacaram sua trajetória em mensagens através das redes sociais.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.