Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A vice-presidente argentina Gabriela Michetti, em Buenos Aires, no dia 11 de julho de 2016

(afp_tickers)

Um procurador argentino pediu nesta sexta-feira a abertura de uma investigação sobre a origem do dinheiro roubado na casa da vice-presidente Gabriela Michetti em novembro de 2015, que ela atribuiu a doações recebidas de uma fundação, informou uma fonte judicial.

Em novembro de 2015, na noite em que o presidente Mauricio Macri ganhou o segundo turno, foram roubados 50.000 dólares e 245.000 pesos do domicílio da hoje vice-presidente. Ela não divulgou o crime, que só se soube vários meses depois.

A causa foi iniciada com a denúncia de um advogado que considerou que os fundos poderiam ter origem ilegal.

O procurador Guillermo Marijuan abriu uma investigação "pelo possível delito de ação pública".

Michetti explicou que a origem do dinheiro seria uma doação de 200.000 pesos para a fundação SUMA que ela preside, outros 45.000 seriam destinados a reparos e 50.000 dólares seriam um empréstimo de seu marido.

O procurador que saber se o dinheiro foi declarado e confirmar a sua origem.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP