Navigation

Museu dos EUA diz que cinco fragmentos de Pergaminhos do Mar Morto são falsos

Um museu dos Estados Unidos anunciou que cinco peças apresentadas como fragmentos dos manuscritos conhecidos como Pergaminhos do Mar Morto são falsas. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 23. outubro 2018 - 02:03
(AFP)

Um museu dos Estados Unidos anunciou nesta segunda-feira que cinco peças apresentadas como fragmentos dos manuscritos conhecidos como Pergaminhos do Mar Morto são falsas.

O Museu da Bíblia em Washington retirou as peças de exibição após um pesquisador de uma instituição alemã concluir que não eram legítimas.

"Esta foi uma oportunidade para ensinar ao público sobre a importância de verificar a autenticidade das raras peças bíblicas, do elaborado processo de análise assumido e do nosso compromisso com a transparencia", disse Jeffrey Kloha, curador chefe do museu.

Os Pergaminhos do Mar Morto, que incluem os manuscritos mais antigos conhecidos da Bíblia dos hebreus, datam do século III antes de Cristo ao século I depois de Cristo.

Os cerca de 900 rolos foram descobertos entre 1947 e 1956 em cavernas de Qumran, sobre o Mar Morto.

Os cinco fragmentos em questão estavam em exibição desde a inauguração do museu, em novembro de 2017, mas foram etiquetados com uma advertência de que havia um processo de investigação sobre sua legitimidade.

Em abril do ano passado, o museu enviou cinco de suas 16 peças dos Pergaminhos do Mar Morto ao Federal Institute for Materials (BAM) da Alemanha, que após estudos não confirmou sua autenticidade.

Segundo o pesquisador Kipp Davis, da Trinity Western University, "ao menos sete fragmentos da coleção dos Pergaminhos do Mar Morto são imitações modernas".

O museu substituiu as cinco peças em exposição analisadas na Alemanha por outras três, que também passam por uma revisão.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.