Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Ativistas cruzam a Ponte do Brooklyn em Nova York, em 5 de outubro, para reivindicar a reforma migratória

(afp_tickers)

O número de menores de idade que entraram nos Estados Unidos sem o acompanhamento de adultos desde outubro chegou a 57 mil, anunciou nesta quarta-feira um funcionário do Departamento de Segurança Interno no Senado americano.

"O número de jovens sem acompanhantes que foram retidos ou encontrados neste ano fiscal (iniciado em outubro) é de 57.000", afirmou Gil Kerlikowske, durante audiência na Comissão de Segurança Interna da câmara alta do Congresso.

"Até 1º de julho, detivemos pouco mais de 2.600 menores sem a companhia de adultos", acrescentou.

A Comissão do senado realizou a audiência para discutir com integrantes do Departamento de Segurança uma reação do governo à crise gerada pelo aumento do número de jovens nessa situação.

De acordo com a legislação vigente, os menores de idade devem ser entregues ao Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS, na sigla e inglês). O HHS é o responsável pelo envio de jovens a centros de acolhida ou para casas de familiares, enquanto são realizados os transmites legais para sua deportação.

A oposição americana, no entanto, argumenta que este mecanismo serve como um incentivo para que famílias estrangeiras enviem seus filhos ao país de clandestinamente.

"Acredito que estamos incentivando esta crise", denunciou o senador republicano Ron Johnson, para quem o governo deveria deportar os menores o mais rápido possível.

O Departamento de Justiça anunciou nesta quarta que vai destinar recursos para reagir à recente onda migratória, um dia depois de o presidente Barack Obama ter solicitado ao Congresso 3,7 bilhões de dólares em fundos especiais para solucionar o problema.

O dinheiro seria destinado a várias agências do governo e usado para financiar o aumento do número de agentes na fronteira e a intensificação da vigilância aérea para conter o fluxo migratório.

O governo também pretende reunir mais funcionários de imigração, construir novos centros de acolhida e dispor de recursos para lidar com as causas do crescente fluxo migratório.

AFP