Navigation

Número dois do chavismo vai a Cuba coordenar estratégia para Fórum de São Paulo

(Arquivo) O número dois do chavismo, Diosdado Cabello afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 07. junho 2019 - 16:32
(AFP)

O chanceler cubano, Bruno Rodríguez, disse nesta sexta-feira (7) que teve um "fraterno e proveitoso encontro" em Havana com o número dois do chavismo venezuelano, Diosdado Cabello, que visita a ilha.

"Manifestei a solidariedade de Cuba e o compromisso de colaboradores de continuarem apoio a serviços sociais. Tratamos de temas da agenda internacional", disse Rodríguez em sua conta no Twitter.

Cabello chegou ontem a Havana para coordenar com as autoridades locais a estratégia comum na reunião do Fórum de São Paulo que acontece de 25 a 28 de julho, em Caracas.

Há anos, Cuba e Venezuela participam como uma única equipe de trabalho, disse Cabello, segundo a agência cubana Prensa Latina.

"Não se trata apenas de propostas concretas (...) mas também (...) para que se saiba no mundo o que acontece em Cuba, o que acontece na Venezuela com os ataques dirigidos contra nossos povos de outros países, especialmente dos Estados Unidos", acrescentou.

Cabello é primeiro-vice-presidente do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) e presidente da Assembleia Nacional Constituinte.

O ministro Bruno Rodríguez é esperado nesta sexta, em Toronto, Canadá, para discutir com sua colega, Chrystia Freeland, o papel de Cuba "na resolução pacífica da crise da Venezuela" e os efeitos da lei americana Helms-Burton, segundo um comunicado da Chancelaria canadense.

Em 16 de maio, Freeland já havia visitado Havana para se reunir com Rodríguez e tratar dos mesmos temas.

Junto com 11 países latino-americanos, o Canadá faz parte do Grupo de Lima, uma instância multilateral que busca uma solução pacífica da crise venezuelana.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.