Navigation

NASA diz que não há sinais da nave indiana Vikram extraviada na Lua

Imagem divulgada pela agência espacial indiana da sonda Vikram antes de pousar na Lua em agosto afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 27. setembro 2019 - 16:01
(AFP)

Um satélite da NASA que orbita a Lua passou pelo local onde o módulo indiano Vikram deveria ter pousado em 7 de setembro, mas não o localizou.

A agência espacial americana publicou na quinta-feira as fotografias tiradas em 17 de setembro do satélite Lunar Reconnaissance Orbiter para as planícies localizadas a cerca de 600 km do Polo Sul, onde se estimava que Vikram deveria ter pousado.

"Até agora, a equipe não conseguiu localizar nem fotografar o módulo de pouso", explicou a NASA.

"É possível que a nave Vikram esteja escondida na sombra", acrescentou.

O satélite passará novamente pela região em outubro e a luz será melhor, disse a NASA.

A Índia lançou a missão Chandrayaan-2 em 22 de julho. A espaçonave principal, que permanece em órbita ao redor da Lua, se desacoplou do módulo Vikram alguns dias antes do esperado, mas no final de sua descida, quando estava a uma altitude de 2 km, o contato foi perdido.

A um quilômetro do ponto de alunissagem, a Vikram estava viajando a uma velocidade horizontal de 48 metros por segundo e a uma velocidade vertical de 60 metros por segundo, de acordo com a organização americana The Planetary Society.

Em 10 de setembro, a Agência Espacial Indiana (ISRO) anunciou que a Vikram havia sido localizada pelo orbital Chandrayaan-2, mas sem comunicação.

A Índia diz que, desde então, está tentando restabelecer o contato.

Mas a NASA, em seu comunicado, argumenta que "Vikram sofreu um pouso forçado", o que, no jargão espacial, significa um acidente.

A Índia teria sido o quarto país, depois da Rússia, Estados Unidos e China, a pousar uma nave na Lua.

Israel também falhou em abril.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.