Navigation

Nicaraguenses pedem que a polícia pare com o banho de sangue

Pessoas participam de funeral de homem morto durante protestos contra o presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, em Masaya, em 7 de junho de 2018 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 13. junho 2018 - 19:07
(AFP)

Mais de 4.000 cidadãos pediram à polícia que pare com o banho de sangue causado pela violenta repressão do governo contra as manifestações populares, em uma carta publicada nesta quarta-feira nos principais jornais da Nicarágua.

"O regime de Daniel Ortega já está acabado. Vocês precisam deter de uma vez por todas este insensato banho de sangue", exigiram os signatários da "Carta aberta aos policiais", publicada pelos jornais La Prensa e Nuevo Diario.

As assinaturas foram recolhidas por meio do site change.org e entre os signatários estào o ex-candidato presidencial opositor Fabio Gadea e Claudia Chamorro, filha da ex-presidente Violeta Barrios.

"Deixem suas armas, peguem seus escudos e se unam a nós porque quando desaparecer o poder da família de Daniel Ortega e sua esposa (a vice-presidenta) Rosario Murillo, vocês ficarão sozinhos e desprotegidos", advertiram.

Ao menos 152 mortos e 1.340 feridos é o balanço temporário da repressão contra os protestos que explodiram na Nicarágua em 18 de abril, segundo o Centro Nicaraguense de Direitos Humanos (Cenidh).

Na véspera, uma aliança de oposição nicaraguense convocou uma greve geral de 24 horas para esta quinta-feira como medida de pressão para que o governo do presidente Daniel Ortega retome o diálogo e pare com a repressão dos protestos.

O país está semiparalisado há quase dois meses por uma onda de protestos contra a reforma da Previdência.

Os opositores exigem de Ortega uma resposta imediata à proposta dos bispos católicos, que na semana passada propuseram um plano de democratização como base para a retomada do diálogo com a oposição, em busca de uma saída para a crise política e social.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.