Navigation

Nidal já não tem nada a perder e apoia a 'resistência' contra Israel

Foto feita a partir da fronteira israelense com a Faixa de Gaza mostra o por do sol sobre o enclave palestino em 4 de agosto de 2014 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 04. agosto 2014 - 21:04
(AFP)

Diante de sua casa reduzida a ruínas por um bombardeio israelense, Nidal al-Khaldi diz apoiar a "resistência" e aceita que haja mais "mártires" palestinos para que a "vitória" seja conquistada.

Em Al-Buraj, no subúrbio da Cidade de Gaza, as ruas estão cobertas de pó, escombros, carcaças de veículos e cabos de energia elétrica. Este conflito devastador deixou em 28 dias mais de 1.800 palestinos mortos, a maioria civis, assim como 63 soldados israelenses e quatros civis em Israel.

Nidal, um desempregado de 42 anos, caminha em meio às ruínas de sua casa. Na noite anterior, os tanques do "inimigo" bombardearam o local, relata.

"Por culpa deles, já não temos casa. Aqui viviam sete famílias, mas agora estamos todos na rua. Mas esta guerra vai continuar. Não tenho problema quanto a isso. A resistência pode continuar", afirma.

"Temos 1.800 mártires. E o que a comunidade internacional faz? Nada, absolutamente nada. Vivemos em uma prisão a céu aberto. Israel destrói nossas casas, mata nossos filhos e até nossos animais. Alguém tem que fazer alguma coisa. Estamos dispostos a sacrificar nossas casas e nossos filhos pela vitória", acrescenta.

"Aqui não há trégua, apenas tanques. Chovem bombas. A cada dois minutos, os tanques israelenses nos bombardeiam", diz revoltado Murad, de 28 anos, em Zanna, subúrbio de Khan Yunis (sul).

O barulho dos ataques dos tanques israelenses invade as zonas urbanas de Gaza. As ambulâncias com as sirenes ativadas passam em zig-zag para abrir caminho.

"A 15 metros daqui, ainda há pessoas presas entre os escombros. Ouvimos seus gritos, mas, por enquanto, não podemos ir até lá, é perigoso demais", explica Murad, cercado de cerca de 20 jovens indignados, convencidos de que a guerra vai continuar.

"Simplesmente, temos mártires demais. Não resta outra opção a não ser mantermos esta guerra", disse um deles, antes de desparecer. Em outra parte de Gaza, em Rafah, perto da fronteira com o Egito, o Exército israelense está bombardeando. Alguns palestinos insistem que a "vitória" é possível.

"A resistência está mais forte do que nunca e segue se reforçando", disse Musleh, diante de um hospital no subúrbio da Cidade de Gaza que continua recebendo corpos.

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?