Navigation

Nova York libera maconha para fins terapêuticos

Nova York é o 23º estado americano a autorizar o uso da maconha com fins terapêuticos afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 08. julho 2014 - 10:04
(AFP)

O governador de Nova York, Andrew Cuomo, sancionou uma lei que autoriza o uso de maconha com fins terapêuticos, fazendo desse estado americano o 23º a flexibilizar a legislação sobre o tema.

Essa lei compreende apenas a distribuição, por profissionais registrados, para pessoas que sofram de patologias graves, como câncer, Aids, doença de Lou Gehrig, Mal de Parkinson, esclerose múltipla, ferimentos na medula espinhal e epilepsia, entre outras.

Essas pessoas deverão ter sido previamente aceitas no programa.

Apenas cinco empresas terão permissão para cultivar a planta e distribuí-la no estado, em um máximo de 20 locais.

A droga não poderá ser fumada, e as doses serão limitadas. O tratamento não poderá passar de 30 dias.

"Nova York se orgulha de ter estado em sua história na vanguarda de muitos avanços médicos", declarou Cuomo, ao assinar a lei.

"Estamos aqui para ajudar as pessoas e, se houver um avanço na medicina, queremos que os nova-iorquinos possam se beneficiar disso", acrescentou, em uma entrevista coletiva.

Cuomo, que durante muito tempo se opôs a essa medida e disputará a reeleição no outono (hemisfério norte), saudou essa legislação. Segundo ele, "oferece o melhor do que a maconha com fins terapêuticos pode dar, da maneira mais controlada possível".

"Trata-se da decisão mais inteligente que o Estado já tomou até agora em relação ao tema", garantiu.

Ao todo, 23 estados americanos e a capital federal, Washington, D.C., autorizam o uso de maconha com fins terapêuticos e com limites variáveis. Alguns estados até permitem que os pacientes tenham algumas mudas.

Dois estados legalizaram a maconha completamente: Colorado (oeste) e Washington (noroeste).

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.