Navigation

O choro desesperado das crianças separadas dos pais na fronteira dos EUA

Agentes da fronteira prendem um adulto com uma criança centro-americanos em McAllen, Texas, em 4 de janeiro de 2017. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 19. junho 2018 - 01:35
(AFP)

Entre soluços, várias crianças choram e chamam por seus pais dentro de uma instalação da Patrulha de Fronteira dos Estados Unidos, enquanto um guarda ironiza: "temos uma orquestra, só falta o maestro".

Esta situação terrível foi revelada pelo site de notícias ProPublica, que divulgou uma gravação do desespero das crianças separadas de seus pais com base na nova política do governo de Donald Trump para deter a imigração ilegal.

"Não quero que prendam meu papai, não quero que o deportem", diz uma menina. "Não quero me separar do papai", murmura outra.

O guarda de fronteira pergunta em espanhol: "De onde você é? El Salvador, Guatemala" - respondem as crianças, parte dos 2.342 menores separados de seus pais entre 5 de maio e 9 de junho após as famílias entrarem ilegalmente no país, de acordo com dados repassados ao Senado.

A medida tem provocado indignação generalizada nos Estados Unidos.

Uma das vozes que mais se destaca é a de uma menina salvadorenha de seis anos que suplica pela presença de sua tia: "Posso ir com a minha tia, pelo menos?! Tenho o número (de telefone) dela. Minha mamãe virá me pegar quando eu for com a minha tia".

Segundo o ProPublica, o áudio foi gravado na semana passada por uma pessoa que pediu para não ser identificada.

A tia da menina disse ao site que este foi o "momento mais difícil" de sua vida.

"Imagine receber um telefonema de sua sobrinha de seis anos que está chorando e pede para você buscá-la. Ela promete se comportar e pede, 'por favor, me tire daqui, estou completamente só'".

A mãe da criança foi levada a um centro de detenção em Port Isabel, Texas, e segundo a tia não pôde falar com a filha.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.