Navigation

O início da feliz recuperação de pacientes com COVID-19 no México

Edith Aguilar Valdez, paciente de COVID-19 do Hospital Juárez de Ciudad de México, jogando na loteria afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 13. julho 2020 - 13:16
(AFP)

Edith ainda tem uma pequena mangueira conectada ao oxigênio no nariz. Apesar de sua diabetes, sobrepeso e pressão alta, essa mexicana sobreviveu à COVID-19 e logo voltará para casa.

Enquanto joga na loteria na área de recuperação do Hospital Juárez, na Cidade do México, Edith Aguilar pensa em um "tequilazo" (dose de tequila) e nas amorosas repreensões que voltará a dar à sua família.

"Me falta pouco para ganhar!", diz esta mulher de sorriso fácil, com o olhar fixo em sua mesa do jogo de azar mais popular no México.

Com 51 anos, Edith em breve se juntará às 184.000 pessoas recuperadas em todo o país, segundo o governo.

Foi internada na terapia intensiva (UTI) em 1o de julho contra sua vontade, pois acreditava em falsos boatos de que pacientes infectados eram mortos nos centros médicos.

Seu irmão e seu filho a levaram "à força" quando já não conseguia mais pronunciar uma palavra devido à falta de oxigênio. "Eu tinha medo que me matassem", afirma Edith, que vive de uma pequena mercearia.

O México, com 127 milhões de habitantes, é o quarto país com mais mortes pelo coronavírus, com 35.006 óbitos e 299.750 casos até este domingo.

- Adeus ao "canto sombrio" -

Edith passou alguns dias na UTI, a sala que o doutor Luis Antonio Gorordo descreve como o "canto sombrio dos hospitais em que ninguém quer entrar".

Lá, algumas vítimas da pandemia sofrem alucinações, conta o médico perto de um homem intubado.

Para reduzir o delírio dos que chegam a arrancar os cateteres, Gorordo e um grupo de psicólogos tentam criar ambientes lúdicos.

Em uma mesa, junto a um homem conectado a um respirador artificial, há um caderno de exercícios mentais e giz de cera. No fundo, o barulho incessante dos equipamentos médicos se mistura com a música rancheira que sai de um gravador instalado perto dos leitos.

"Estar aqui é como coisa de louco, porque não vê ninguém, está sozinho, não sabe que dia é, então é estressante", comenta José Iván Lizcano, esforçando-se para respirar.

Nos quartos de recuperação, a iluminação pelo menos permite que os pacientes distinguam melhor os profissionais de saúde. O ambiente é de uma ansiedade boa para deixar o hospital.

"Estou a um passo de sair. O que mais queremos é um tequilazo!", diz Edith alegremente, sem deixar de jogar na loteria com suas duas colegas de quarto.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.